O que aprendemos

Uma “sociedade em aprendizagem” necessita de planos educativos que se desenvolvam permanentemente e de conteúdos educativos que façam jus à nova geração que no futuro será responsável pela sociedade.

A ONU aprovou a “AGENDA 21” na Conferência Ambiental de 1992 no Rio de Janeiro. Esta agenda determina que as escolas do futuro têm de posicionar as questões ambientais no centro de toda a aprendizagem. Este é o “pré-requisito indispensável à criação de uma consciência ecológica e ética. O desenvolvimento económico não pode continuar a ser concebido à custa da natureza, mas com ela”.

Para ir ao encontro das necessidades de uma educação que seja relevante para o futuro, desenvolvemos um Currículo Interno que será constantemente enriquecido e redefinido pela equipa de professores e o apoio de especialistas. Este Currículo Interno complementa e aprofunda o currículo oficial e oferece a possibilidade de integrar na aprendizagem temas relevantes provenientes da região onde nos encontramos.

O meio ambiente da Escola da Esperança é dado pelo Projeto de Pesquisa para a Paz de Tamera e pela região do Alentejo: A intervenção ecologia com efeitos duradouros e a permacultura aplicada, a criação e a manutenção de redes interculturais, o saber comunitário e as competências sociais, o desenvolvimento da responsabilidade de cada indivíduo, a comunicação não violenta com os animais, etc., são temas que fazem parte integrante do Currículo Interno da escola.
Os alunos terão contacto permanente com temas ligados à região em que se encontram, através de visitas a eventos culturais regionais e a empresas como padarias e outras pequenas e médias empresas, através da ligação com as freguesias vizinhas e as respetivas escolas e instituições culturais.

A Escola da Esperança baseará o seu ensino no currículo inglês do “CIE - Cambridge International Examination.”
No currículo do CIE são formuladas as competências básicas e os objetivos de aprendizagem gerais.

As línguas faladas e estudadas são o inglês, o português e o alemão. Fazemos questão de que o ensino das línguas seja feito por professores cujo idioma seja a sua língua materna. O exame final IGCSE é feito em inglês.

A área de aprendizagem de "História e Geografia de Portugal" orientar-se-á pelo currículo nacional português e será ministrado por professores portugueses.